Seguidores

domingo, 19 de março de 2017

SEM CARNE E SEM PAPELÃO















SEM CARNE E SEM PAPELÃO
*
VOU LOGO AVISAR:
Prefiro comer Preá
Galinha,Camaleão,
Tripa de Bode,Jabá
Ou um bife do Oião
Rolinha,Curimatã
Carne de Teiú e Rã
Passarinha,Camarão,
Ou espetinho de Gato.
Só não ponha no meu prato
Mistura com papelão.

(RAINILTON DE SIVOCA)
*
EU VOU AVISAR TAMBÉM:
Depois dessa confusão
Só sirvo bicho de asa
Carne aqui em minha casa,
Não deixo entrar mais não
Vou mudar a refeição
Novos tempos novo rito
Já pelei o periquito
A rola já ta na mão
No fogo e na pressão
Faço um rango sem atrito.

DALINHA CATUNDA

sábado, 18 de março de 2017

CARNE MIJADA

CARNE MIJADA
*
Seu José chegou em casa
Doidinho para almoçar
A mulher mais que depressa
Acabou de preparar
E quando botou na mesa
Ela teve uma surpresa
Ele não quis degustar.
*
Mulher eu vou lhe dizer
E preste muita atenção
Carne eu não como mais
Pode ir fazer um baião
Carne anda adulterada
Não como carne estragada
Inda mais com papelão.
*
A mulher aborrecida
Logo quis ficar zangada
Ele levantou a voz
E ela ficou calada
Uma coisa vou dizer
Carne aqui eu vou comer
Só se for carne mijada.
*

Verso e foto Dalinha Catunda

quinta-feira, 16 de março de 2017

SURUBA NO CABARÉ

SURUBA NO CABARÉ
*
Valei-me meu São Francisco
Das Chagas de Canindé
Sou uma mulher devota
É bem grande a minha fé
Proteja nossa nação
Pois sem sua proteção
Vai virar um cabaré.
*
A meu “Padim Pade Ciço”
Eu peço discernimento
Pra falar duma suruba
A notícia do momento
Mesmo sem ser convidado
O povo foi enrabado
Na onda do movimento.
*
Tudo isso aconteceu
Na terra de Santa Cruz
E a orgia foi maior
Do que eu mesma supus
O poder mancomunado
Com o país dominado
Fumo no povo introduz.
*
Tudo virou sacanagem
Tudo virou putaria
A propina que rolava
Aos poucos se descobria
Com a tal da delação
Já surgiu tanto ladrão
Que a lista me arrepia.
*
No cabaré da Banânia
Na suruba nacional
Quando a coisa ficou feia
Já surgiu a federal
Quem escondido comia
E entrou na anarquia
A tal lista foi fatal.
*
O jogo da sacanagem
Agora tá empatado
E sem lista seletiva
Vejo o sujo e o mal lavado
E entre cada facção
Navega nossa nação
Com rato pra todo lado.
*
Dalinha Catunda
Charge: Amarildo


terça-feira, 7 de março de 2017

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
*
Em internet e jornais
Revista e televisão,
Eu vejo e sinto revolta
Com tanta judiação
Mulheres perdendo a vida
Que coisa mais descabida
E não vejo solução
*
A Mulher é mãe é filha,
Esposa e amante também,
Mas não nasceu para ser
Afrontada por ninguém.
Por isto preste atenção
Tenha consideração
Pois pode lhe fazer bem.
*
Cada vez que vejo o sangue
De mulher tingir o chão
Sinto um aperto no peito
Dói demais meu coração.
Mulheres assassinadas,
Covardemente estupradas
Que sórdida situação.
*
Mulher não seja defunta,
Cadáver não seja não.
Prefira ser a viúva.
Você tem esta opção.
Sendo sua causa justa
Se ficar presa não custa
Logo sairá da prisão.
*
Se o homem é violento
Pede violência também.
A mulher que maltratada
Pode e deve ir além.
Basta só envenenar
O almoço ou o jantar
Que o bruto vai pro além.
*
Uma coisa vou dizer,
E nisso sou veemente,
Em mim o homem não bate
Nem em meu atrevimento.
E se resolver tentar
Vai dormir sem acordar
Este é meu pensamento.
*
Mulher nunca se rebaixe
Não permita a agressão.
Uma briga com palavras,
Evolui pro palavrão,
Você tem capacidade
De evitar a atrocidade
De acabar num caixão.
*
Não denuncie o marido
Se a queixa vai retirar.
Ele afirmará mil vezes
Que agora irá mudar.
Quem ama nunca tortura
Nunca caia em falsa jura
Não se deixe dominar.
*
Mulher não é mais escrava
E cativa de um senhor.
Os tempos hoje são outros
Por isso faça o favor!
Mulher pode se manter
E não se submeter
A morte, castigo e dor.
*
A violência domestica,
É bem ruim com certeza.
É dormir com inimigo
É viver sempre indefesa.
A mulher tem que acordar
Com muita garra lutar
Em prol da sua defesa.
*

Versos de Dalinha Catunda

quinta-feira, 2 de março de 2017

É PORTELA


É PORTELA
*
O meu Rio de Janeiro
Festeja de norte a sul
Agora está tudo azul
É Portela em primeiro
O portelense festeiro
Esquece sua mazela
E sem mais jejum revela
Minha escola é campeã
Na euforia seu clã
Canta em louvor a Portela!
*
Versos de Dalinha Catunda

quarta-feira, 1 de março de 2017

A TEIA QUE NÃO ATEIA

A TEIA QUE NÃO ATEIA
*
Desde que lhe deu fastio
Minha rede não se assanha
Lembro-me nós dois deitados
E eu cheinha de manha...
Hoje você desarmado
Armador enferrujado
Só com teia de aranha.
*
Versos de Dalinha Catunda

Foto de Wilson Bernardo

domingo, 12 de fevereiro de 2017

QUADRÃO PERGUNTADO


QUADRÃO PERGUNTADO
*
BASTINHA JOB
O Brasil vai sair dessa!?
Só mesmo vendo pra crer
E se isso não ocorrer
O povo é quem sofre à beça
E a crise que atravessa!?
Vem de longe meu irmão;
_ de quem é a culpa, então?
do político safado:
ISSO É QUADRÃO PERGUNTADO
ISSO É RESPONDER QUADRÃO!
*
DALINHA CATUNDA
O Brasil vai tomar jeito?
Nisso não posso apostar.
Se o povo se revoltar?
Ele está em seu direito.
E quem rouba é perfeito?
É safado e é ladrão.
Já tem gente na prisão?
Tem, mas falta um bocado.
ISSO É QUADRÃO PERGUNTADO
ISSO É RESPONDER QUADRÃO!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

VAI CHOVER!

VAI CHOVER!
*
Quando branqueja o nascente
Deixando o morro encoberto
É chuva que vem por perto
Para alegrar nossa gente
O trovão impertinente
Abre a boca em escarcéu
E das nuvens rasga o véu
Agoniando o corisco
Que lampeja que faz risco
Pra chuva cair do céu.
*

Versos e foto. Dalinha Catunda

SINA DE MARIA IV

SINA DE MARIA IV
*
Jamais chore a minha sorte
Se você não me poupou
Se a mim não foi fiel
Se com outra me enganou
Se no decorrer da vida
Deixou minha alma ferida
O que me martirizou.
*
Não exija um respeito
Que nunca teve por mim
A vida tem vídeo-taipe
Modernidade é assim
Reveja nosso passado
Pois ele não está lacrado
Nele ninguém dará fim.
*
Não bata no peito e diga
Que chegou a me amar
Não soube me proteger
Não soube me resguardar
Eu cumpri o meu papel
Porém você foi cruel
Não defendeu nosso lar.
*
Não seja tão teatral
Nem chore no meu caixão
Eu já conheço de cor
O ator e a atuação
Já vivi tão desolada
Deixe- me ir sossegada
Tenha por mim compaixão.
*

Versos e foto de Dalinha Catunda

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

ESSE TAL DE BULLYING

ESSE TAL DE BULLYING
*
Eu nasci no Ceará
No meu agreste sertão
Esse negócio de bullying
Por lá não deu certo não
Se alguém bulisse comigo
Corria sério perigo
Pais eu já sentava a mão.
*
Quando de casa eu saía,
Mamãe avisava bem:
Se apanhares na rua,
Apanha em casa também!
Os conselhos que mãe dava
Geralmente eu escutava
Não apanhei de ninguém.
*
O diabo destes meninos
São fracos e são mimados
E vão para o psicólogo
Quando eles são insultados
Não sabem se defender
E a altura responder
Ficando traumatizados.
*
No meu tempo de menina
Comigo ninguém bulia
E se teimasse em bulir
A porrada eu metia
Ninguém mangava da gente
Mas hoje é diferente
Buscam logo é terapia.
*

Versos e foto de Dalinha Catunda